ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
ZIRALDO

1932 – nasce Ziraldo Alves Pinto, a 24 de outubro, em Caratinga, MG. Filho de Geraldo Alves Moreira Pinto e Zizinha Alves Pinto.

1939 – primeiro desenho na Folha da Manhã (Belo Horizonte).

1940 – matriculado no Grupo Escolar Princesa Isabel, de Caratinga.

1945 – começa o ensino médio em Caratinga, terminando em 1948.

1949 – inicia o "científico" na MABE (Moderna Associação Brasileira de Ensino). Publica histórias em quadrinhos nas revistas Sesinho, Vida Infantil e Vida Juvenil. Colabora com charges nos últimos números de O Malho.

1951 – conclui o colégio, em Caratinga. Faz o tiro-de-guerra.

1952 – ingressa na Faculdade de Direito da UFMG, em Belo Horizonte. Publica trabalhos mensais na revista Era uma Vez.

1954 – inicia a publicação de uma página de humor semanal na Folha de Minas. Trabalha em várias agências de propaganda, o que o levaria a diretor de arte da Standard.

1957 – forma-se em Direito e volta ao Rio de Janeiro. Publica trabalhos na revista A Cigarra e, depois, em O Cruzeiro.

1958 – casa-se com Vilma Gontijo Alves Pinto. Tiveram três filhos: Daniela (1959), Fabrízia (1961) e Antônio (1967).

1959 – começa a publicar O Pererê, na revista O Cruzeiro. A série durou cinco anos. Voltou em 1976, pela Editora Abril.

1963 – inicia sua colaboração no Jornal do Brasil, que dura até hoje.

1965 – diretor de arte da revista Visão e coordenador gráfico do Festival de Filme do Rio de Janeiro.

1966 – publica nos EUA e Europa. Começa a publicação dos Zeróis no Jornal do Brasil.

1967 – edita a revista Fairplay. Faz o mural do Canecão. É encenada sua peça Este Banheiro é Pequeno Demais pra Nós Dois.

1968 – edita o Cartum JS, no Jornal dos Sports. É preso no Rio por sua participação política. Graphis publica seus trabalhos.

1969 – recebe o Oscar Internacional de Humor, em Bruxelas. Faz o cartaz da Unicef (ONU). Publica Flicts, Jeremias, o Bom e A Festa. Participa da fundação do jornal O Pasquim.

1973 – publica My Friend Grouch, na Inglaterra.

1974 – recebe o Prêmio Merghentaller, da Sociedade Interamericana de Imprensa, em Caracas.

1978 – visita os EUA e a Alemanha Ocidental.

1981 – publica O Pipoqueiro da Esquina, com Drummond de Andrade. Encenação de O Menino Maluquinho e O Planeta Lilás.

1994 – O Menino Maluquinho, o Bichinho da Maçã, a Turma do Pererê e o próprio Saci Pererê, transformam-se em selos comemorativos do Natal.

1996 – ganha o Prêmio Jabuti com O Menino do Rio Doce.

1997 – no Carnaval do Rio, Ziraldo é homenageado. Desfila no alto de um carro com um enorme Menino Maluquinho.

1998 – ganha o Prêmio Jabuti pela ilustração do livro O Chapeuzinho Amarelo (de Chico Buarque) e o filme baseado em seu livro O Menino Maluquinho ganha seis prêmios.