ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
PAULO MENDES CAMPOS

Os bares morrem numa quarta-feira

"(...) os bares nascem, vivem, parecem eternos a um determinado momento e morrem. Morrem numa quarta-feira, como diria Mário de Andrade. O obituário dessas casas fica registrado no livro da memória. Recordá-los, os bares mortos, é contar a história de uma cidade (...)

O curioso é que os bares do presente, por seus serviços e por sua freqüência, podem merecer até nosso entusiasmo, mas não recebem jamais o nosso amor. O bom freguês só ama o bar que se foi. Só nas lembranças os bares perdem suas arestas e se sublimam (...)"

Páginas de humor e humorismo

"E imaginei Ferreira vizinho de Maria de Lourdes, amigo Ferreira; os cinquenta e cinco anos de diferença faziam o entendimento mais perfeito. Já que as pessoas da mesma idade dificilmente se entendem.
– Ferreira... Chega aqui.
Ferreira inclinou-se e pôs a sua velha orelha coberta de pêlos, junto à boca lambusada. A menina vermelha, baixou os olhos com infinito pudor. Num sussurro, o segredo grave passou da boca para a orelha, introduziu-se em Ferreira, ocupou-o inteiro. Ele fez apenas: "Ah!..." Depois, retirou do estribo o guarda-chuva e alçou-o à altura do cordão. O bonde parou. Ferreira, Maria de Lourdes, o guarda-chuva e os embrulhos desceram pausadamente, atravessaram a rua, entraram pela primeira porta aberta...
Meu pai dizia que os amigos são para as ocasiões."

O cego de Ipanema

"Há bastante tempo que não o vejo e me pergunto se terá morrido ou adoecido. É um homem moço e branco. Caminha depressa e ritmado, a cabeça balançando no alto, como um instrumento, a captar os ruídos, os perigos, as ameaças da terra. Os cegos, habitantes de um mundo esquemático, sabem onde ir, desconhecendo as nossas incertezas e perplexidades. Sua bengala bate na calçada com um barulho seco e compassado, investigando o mundo geométrico. A cidade é um vasto diagrama, de que ele conhece as distâncias, as curvas, os ângulos. Sua vida é uma série de operações matemáticas, enquanto a nossa costuma ser uma improvisação constante, uma tonteira, um desvario. Sua sobrevivência é um cálculo."