ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
JOÃO ANTONIO

Bibliografia

Malagueta, Perus e Bacanaço. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963.
Leão-de-chácara. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.
Malhação do judas carioca. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.
Casa de loucos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.
Calvário e porres do pingente Afonso Henriques de Lima Barreto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.
Lambões de caçarola. Porto Alegre: L&PM, 1977.
Ô Copacabana!. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
Dedo-duro. Rio de Janeiro: Record, 1982.
Noel Rosa. São Paulo: Abril Educação, 1982.
Meninão do caixote. Rio de Janeiro: Record, 1983.
Abraçado ao meu rancor. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.
Zicartola e que tudo mais vá pro inferno. São Paulo: Scipione, 1991.
Guardador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1992.
Um herói sem paradeiro: vidão e agitos de Jacarandá, poeta do momento. São Paulo: Atual, 1993.
Afinação da arte de chutar tampinhas. Belo Horizonte: Formato, 1993.
Dama do encantado. São Paulo: Nova Alexandria, 1996.
Patuléia: gentes de rua. São Paulo: Ática, 1996.
Sete vezes rua. São Paulo: Scipione, 1996.

Edições no exterior

Frio (Frio) – Tradução de Pilar Gómez Bedate. Madri (Espanha): Revista de Cultura Brasileira, 1964.
Busca (Busca) – Tradução de Victor Taphanel. Buenos Aires (Argentina), Jorge Álvarez, Editor, 1965.
Aniz Posadas Staktu Jeho (Paulinho Perna Torta) – Tradução de Pavla Lidmilová. Praga (Tchecoslováquia): Revista "Svetorá Literatura", 1967.
Der Grosse Kleine mit der Keinen Kiste (Meninão do Caixote) – Tradução de Curt Meyer-Clason. Herrenalb (Alemanha Ocidental): Horst Erdmann Veriag, 1967.
El Muchacho del Cajón (Meninão do Caixote) – Tradução de Flávio Macedo Soares. Venezuela: Nuevos Cuentistas Brasileños, Monte Avila Editores, 1969.
Janek ze Wzgórza Babilónia (Joãozinho da Babilônia) – Tradução de Janina Z. Klave. Cracóvia (Polônia), 1977.
Doskonalenie Sztuki Kopania Kapsli (Afinação da Arte de Chutar Tampinhas) – Tradução de Janina Z. Klave. Cracóvia (Polônia), 1977.
Quince Cuentistas Brasileños de Hoy – Tradução de Santiago Kovadloff. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1978.
El Cuento. Tradução de Victor Taphanel. Mexico: Revista de Imaginación, 1977.
Paprika, Perus e Hezoun (Malagueta, Perus e Bacanaço) – Tradução de Marie Adámková, organização de Pavla Lidmilová. Praga (Tchecoslováquia): ed. Odeon, 1981.
Irrenhaus (Casa de Loucos) – Tradução de Karin von Schweder-Schreiner, organização de Kay-Michael Schreiner, "Zitronengras". Koln (Alemanha Ocidental): Verlag Keysenheuer & Witsch, 1982.
Afinación del Arte de Patear Tapitas (Afinação da Arte de Chutar Tampinhas) – Tradução de Victor Taphanel, "Brasil Cultura". Buenos Aires (Argentina), 1982.
Eguns: "Colóquio/Letras", número 76, novembro, Lisboa (Portugal), 1983.
Babylon Johnny (Joãozinho da Babilônia) – Tradução de Jon M. Tolman. New Jersey (USA): The Literary Review, 1984.
Verrfijning van de Kunst van het dopjes trappen (Afinação da Arte de Chutar Tampinhas) – Tradução de Ruud Ploegmakers. Armsterdam (Holanda): "Maatstaf", nº3, 1985.
Milagro Arapiento (Milagre Chué) – Tradução de Manuel Rodríguez Ramos – La Habana (Cuba): Revista "Casa de las Américas", nº159, nov/dez. 1986.
Joãozinho da Babilônia – Tradução de Erhard Engler, Erkundungen 38 Brasilianische Erzahler. Alemanha Orintal: Verlag Volk und Welt Berlin, 1988.
Eguns (Eguns) – Tradução de Karin von Schweder-Schreiner, organização de Wolfang Eitel, "Das Lied des Feuers". München (Alemanha Ocidental): R. Riper GmbH & Co. KG, 1988.
Perfeccionamento del Arte de Chutar Chapitas – Tradução de Virgilio Lopez Lemus – "Cuentos Brasileños Contemporáneos" – Ciudad de La Habana (Cuba): Editorial Arte y Literatura, 1991.
Le Garçon à la caisse (Meninão do Caixote) – Tradução de Flávio Aguiar. Montréal (Canada), "Derivés" 37/38/39.