ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
ELIANE MACIEL

Com licença, eu vou à luta

"Prendi meus fantasmas no papel e descobri que, ao fazer isso, eles perderam suas fisionomias esquálidas de fantasmas. Amei-os novamente, com todas as suas asperezas grotescas e suas cicatrizes. Finalmente, pude sentir um amor ainda irreal, porém mais perfeito, em que o sentimento é tão lépido, infantil e desprendido que passa e nem percebe aquele a quem se apega. Ele é rápido, brincalhão. Inconseqüente e tão ciente da enormidade de suas possessões, que só quer correr para elas, não permitindo vícios de ociosidade.

Esse livro é o produto final de um ano completo de retiro entre pensamentos e idéias cobertas de teias de aranha; algumas tão mesquinhas e bobas, outras portentosas, das quais conheci novas facetas. Aqui, está exposta e desnuda, a efervescência do melhor que pude construir. Se tiver que ser assim, espero que valha por todas as cartas que não mandei, e pelos cartões e presentes que não chegaram nunca, em datas especiais. Confesso, no entanto, que meu amor de menina não está preocupado com isso. Existe desde que vibrou a primeira partícula de carne."