ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    CRÍTICA 
ANTÔNIO NÓBREGA

02 de maio de 1952 – nasce Antonio Carlos Nóbrega de Almeida, em Recife (PE). Adota o nome artístico de Antonio Nóbrega.

1968/1970 – músico integrante da Orquestra da Paraíba e da Orquestra Sinfônica do Recife.

1970/1980 – instrumentista e compositor do Quinteto Armorial, idealizado pelo escritor Ariano Suassuna, tendo quatro discos gravados pelo selo Marcus Pereira.

1976 – criação do espetáculo A Bandeira do Divino.

1981 – criação do espetáculo A Arte da Cantoria, apresentado no III Festival Internacional de Teatro, em São Paulo.

1982 – criação do espetáculo O Maracatu Misterioso.

1985 – criação do espetáculo Mateus Presepeiro.

1986 – implanta a cadeira de Danças Brasileiras no Instituto de Artes da Unicamp, São Paulo.

1989 – criação do espetáculo O Reino do Meio-Dia, destaque no III Carlton Dance Festival. Prêmio APCA com O Reino do Meio-Dia – Melhor espetáculo de dança.

1990 – criação do espetáculo Figural.

1991 – cursos de Acrobacia, Pantomina e Commedia Dell’ Arte na Escola de Teatro Dimitri, em Verscio, Suiça. Cursos na Escola Superior das Artes do Circo, em Châlons-sur-Marne, França.

1992 – criação do espetáculo Brincante, cuja estréia se dá no Festival de Teatro de Curitiba. Participação no especial Auto da Luz da TV Globo, sob a direção de Luiz Fernando Carvalho. Inauguração do Teatro Escola Brincante, em São Paulo.

1993 – convidado a reinagurar o Teatro Delfim, no Rio de Janeiro, com o espetáculo Brincante.
Apresentações de Brincante e Figural em vários estados brasileiros.
Criação do espetáculo musical Na pancada do Ganzá, em homenagem ao Centenário de Mário de Andrade.
Prêmio Personalidade/IBAC.
Indicação Prêmio Shell – Categoria Especial – Teatro Brincante.

1994 – participação do Mês Teatral, no festival dos melhores espetáculos de 1993 no Teatro Municipal de São Paulo, com Brincante.
Parceria com Luiz Fernando Carvalho, na criação do programa Folia Geral, sobre o carnaval pernambucano, realizado pela TV Globo.
Indicação Prêmio Shell – Melhor ator.
Produção do espetáculo Segundas Histórias, cuja estréia se deu no dia 23 de junho, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) depois no Teatro Glória, Rio de Janeiro. Prêmio Shell – Conjunto de Atividades em 1994. Indicação Prêmio Moliére – Melhor ator.

1995 – temporada de Segundas Histórias e Brincante, no Teatro Brincante, São Paulo. Apresentação do espetáculo Figural, em vários estados brasileiros.
Participação no especial A Farsa da Boa Preguiça da TV Globo, sob direção de Luiz Fernando Carvalho. Participação no especial Leituras do Brasil da TV Cultura de São Paulo. Fundação do Centro Brasileiro de Estudos e Folganças, no Teatro Brincante. Temporada de Segundas Histórias e Brincante, no Teatro Apollo, Recife. Gravação do especial Na Pancada do Ganzá, para TV Globo Nordeste.

1996 – participação no Mês Teatral , festival dos melhores espetáculos de 1995, no Teatro Municipal e no Teatro João Caetano, em São Paulo, com o espetáculo Segundas Histórias. Fundação do Bloco Na Pancada do Ganzá, no carnaval de Recife. Montagem do espetáculo musical Na Pancada do Ganzá. Gravação do CD Na Pancada do Ganzá. Abertura da 7ª Bienal Internacional de Dança de Lyon, França, Espetáculo Figural. Apresentações do espetáculo musical Na Pancada do Ganzá, com grande sucesso de crítica e público, no Canecão, Rio de Janeiro. Apresentações do espetáculo musical Na Pancada do Ganzá, no Teatro Carlos Gomes, Rio de Janeiro e no CCBB, Rio de Janeiro. Apresentações do espetáculo Figural dentro do Projeto CumpliCIDADES nas cidades de Tondela, Porto e Lisboa, Portugal. Apresentações dos espetáculos Figural e Na Pancada do Ganzá no Teatro Cultura Artística, São Paulo. Apresentação de Auto-Espetáculo e Figural no encerramento do VI Festival de Teatro Universitário da USP, São Paulo.

1997 – Bloco Na Pancada do Ganzá – Carnaval do Recife-PE
Prêmio Mambembe 96 – conjunto da obra
Apresentação do espetáculo Na Pancada do Ganzá em vários estados brasileiros.
Apresentação do espetáculo Figural em Belo Horizonte-MG na Abertura do Encontro das Américas
Prêmio APCA 96 – Projeto e Pesquisa Musical do Ano
Prêmio Sharp 96 – Categoria Regional:
Melhor disco: Na Pancada do Ganzá
Melhor música: Na Pancada do Ganzá
Prêmio Multicultural Estadão (97) – Premiado juntamente com Antunes Filho e Grupo O Corpo como Criador Participante na Cultura Brasileira
Gravação do CD Madeira Que Cupim Não Rói.
Apresentações do espetáculo musical Madeira Que Cupim Não Rói, no Canecão, Rio de Janeiro; Tom Brasil, São Paulo; e no Teatro Guararapes, Recife.
Prêmio Ministério da Cultura (97) – "Cultura Popular"
Apresentação do Espetáculo Musical Madeira Que Cupim Não Rói, em Porto Alegre para o projeto "Comunidade Solidária"
Apresentações do espetáculo musical Madeira Que Cupim Não Rói em São Luís, Fortaleza, Recife, Salvador, Maceió.

1998 – participação no espetáculo Frevança 98 – espetáculo com vários artistas pernambucanos em homenagem à Capiba.
Carnaval do Recife: Antônio Nóbrega e Grande Banda Pernambucana, participação especial Cumade Fulozinha
– apresentação no projeto "Todos com a Nota"
– Pré-carnaval em Olinda
– Saída no Bloco "Galo da Madrugada"
Apresentação do espetáculo Antonio Nóbrega e Orquestra, participação especial do grupo Cumade Fulozinha, nas cidades de João Pessoa (Fenart) e Natal.
Apresentação de Aula-Espetáculo no Rio de Janeiro (CCBB), Araraquara (UNESP) e São Paulo.
Apresentação do espetáculo Figural no XXIII Congresso Mundial de Jornalistas em Recife.
Participação em campanha publicitária vencedora "Medalha de Ouro" do Prêmio Colunistas (região Norte e Nordeste)
Prêmio Sharp 97 com duas indicações:
– Show do Ano – espetáculo Madeira Que Cupim Não Rói
– Melhor Arranjador – indicação CD Madeira Que Cupim Não Rói
Apresentação do espetáculo Madeira Que Cupim Não Rói no 29º Festival de Inverno de Campos de Jordão e em Brasília na abertura do Projeto Temporadas Populares.
Apresentação do espetáculo Antonio Nóbrega e Grande Banda Pernambucana, participação especial do grupo Cumade Fulozinha, em Natal na 50º Reunião Anual da SBPC e em Garanhuns no 8º Festival de Inverno.
Encontro com a Dança e a Música Brasileiras – Parceria SESC Ipiranga e Antonio Nóbrega, através do Teatro Escola Brincante, durante todo o mês de julho.
Apresentação de Aula-Espetáculo A Arte do Brincante na Casa de Rui Barbosa e no teatro Carlos Gomes, Rio de Janeiro.
Projeto Philips Brasilis – apresentações do espetáculo Madeira Que Cupim Não Rói nas cidades de Curitiba, Londrina, Porto Alegre, Cuiabá, Campinas e Salvador, em benefício de entidades culturais e científicas sem fins lucrativos.
Dirige, juntamente, com Rosane Almeida, atriz, o espaço cultural Teatro e Escola Brincante, São Paulo (SP).