ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
ANA MIRANDA

"As mancebas, nenhuma de nós dormia, de boca fechada, os ouvidos alongados, cada qual a pesar em seu coração que dias viriam, que ventos assoprariam, o que haveria ali, recolhidas nos pensamentos de nossa fortuna, ocupando-os no sentimento das coisas que nos mais doíam, numa quietação de pouco sono e medo das nossas próprias imaginações, as quais nos faziam desejar grandemente a chegada da manhã, porque tudo quanto podíamos estender aos olhos em a pequena ordem com que a desventura nos tinha cortado a vida."

in: "Desmundo", 1996


Pássaro Miragem

"Mais vale um pássaro na mão que dois voando, não, mais vale um pássaro voando, de que um pássaro que não voa? Melhor o pássaro voando e vai ter de fechar a mão até cansar e assim cansada a mão abre e o pássaro voa mesmo, sempre ele vai voar, pássaro é para voar vuuu vuuu vuvuvuvuuu pássaro voando não é miragem antes a miragem de um pássaro voando que um pássaro miragem, a verdade é uma mulher nua, onde poderá entrar sem ofender? Sem ruborizar? Sentamos ao lado do lago no Jardim da Luz e olho os peixes nadando na água clara, dia de sol e brisa fresca, estendo uma toalha na relva e tiro da cesta damascos figos secos chá de ervas biscoitos ataifes que fiz hmmm rosca de gergelim que comprei no Mercado Municipal, duas taças de árak, um peixe azul nada com leveza para um lado e outro nas suas escamas divago, o que me resta, o que posso ter, somos tão pequenos mas nosso coração pode ser grande como uma montanha, meu pensamento voa até a montanha do Líbano, a neve escorre do alto como fosse um leite grosso, leite de cabra que eu bebia de manhã, vovó Farida não podia me ensinar a dançar, nas noites de verão íamos vovó e eu espalhar damascos no sath para secar ao sol e levávamos tapetes e almofadas para deitar e olhar as estrelas, ali no cimo da casa eu ouvia as histórias de Kutchuk Hanem, de Aziza, os braços ondulando serpentes brancas vovó se levantava dançava ao luar halalakala e me mandava dançar, suadas adormecíamos debaixo da lua."

in: "Amrik", 1997