ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
RAQUEL JARDIM

Inventário das Cinzas

"Nasci sob o signo da solidão. Será que a senti no ventre materno? É tão inerente a mim, que parece provir das escuras entranhas. Quando criança, ao apagar a luz do quarto, acariciava os lençóis da cama. Foi o meu primeiro contato com a voluptuosidade. O mergulho no nada era precedido de paixão fria. No sono, sabia que enfim abandonava o meu corpo, libertava-o da constante vigília que o sujeitava. De dia espreitava até a palavra, tinha medo dela. Às vezes saía entrecortada, titubeante, e freqüentemente morria na garganta. Queria emitir apenas sons, como os animais. Os sons agônicos dos bois me fascinavam. E também o silêncio dos peixes. O silêncio do fundo dos mares deve ser o mesmo do ventre materno."