ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    BIO    OBRA    CRÍTICA 
SANDRA KOGUT

Sandra Kogut nasce no Rio de Janeiro (5 de fevereiro) em 1965. Estuda filosofia e comunicações na PUC-Rio e vídeo no Video Free America, em San Francisco, Estados Unidos.

Em 1984 realiza seus primeiros trabalhos em vídeo, expandindo os limites da imagem, da linguagem e dos códigos narrativos. Dois anos depois, monta, com Roberto Berliner, a produtora independente Antevê, para poder pesquisar e realizar seus trabalhos em vídeo. Entre eles estão o clipe da música Manuel, de Ed Motta (medalha de bronze no International Film and TV Festival de Nova York), e o musical Juliette, com Fausto Fawcett (ganhador do prêmio de Melhor Edição e Melhor Roteiro no VI Festival Fotóptica de Vídeo Brasil e a medalha de ouro no 31º International Film and TV Festival of New York). Sandra realiza também os vídeo-clipes A Novidade (Paralamas do Sucesso) e Kátia Flávia (novamente com Fausto Fawcett).

Sandra é autora de obras que anteciparam questionamentos sobre a cultura contemporânea, como a série Parabolic People (rodada em Paris, Nova York, Moscou, Tóquio, Dakar e Rio), de 1991, ou Videocabines, projeto iniciado em 1990. Ela vem, desde então, utilizando diferentes mídias e formatos: documentários, filmes experimentais, ficções, instalações. Os trabalhos Videocabines são caixas pretas e a série Parabolic People são oriundos do Projeto das cabines, que consiste de uma coleção de pequenos depoimentos, mensagens ou performances de pessoas comuns, tomados em várias partes do mundo, no interior de cabines fechadas, instaladas em locais públicos, onde as pessoas podem ficar em isolamento aparentemente total.

Entre 1993 e 1994 Sandra exerce a função de diretora artística da Globograph e, em seguida, desenvolve, em parceria com a PUC-Rio, o projeto Teleeyes, de instalação artística na Internet.

Sandra tem uma carreira premiada nos festivais internacionais, mas a consagração junto ao público começa com o filme de curta-metragem Lá e cá, realizado em 1995, sobre a história do cotidiano de uma mulher da periferia, interpretada pela atriz Regina Casé. Na época, o curta teve grande lançamento em algumas capitais do Brasil, com agenda nos moldes de filmes de longa-metragem, com a diretora e a atriz participando de sessões do filme. Lá e cá foi premiado em festivais importantes como o Festival de Cinema de Oberhausen, na Alemanha, em Kiev, Leipzig, Locarno, Havana, Split e muitos outros.

É uma das criadoras do programa Brasil Legal, na TV Globo, além de dirigi-lo de 1996 a 1998. Em 2001, Sandra Kogut estreia em longas com o documentário Um Passaporte Húngaro. No filme, a diretora tenta tirar sua cidadania húngara (o avô nasceu em Budapeste) e, para isso, depara-se com a burocracia do Estado e sua intervenção nas vidas individuais. O documentário, lançado em 2003, é uma coprodução França/ Bélgica / Hungria / Brasil. Nesse mesmo ano, realiza Passagers d’Orsay, produzido pelo Museu d’Orsay junto com a televisão francesa. Seu trabalho é novamente premiado no Festival de Cinema de Oberhausen, na Alemanha, em Kiev, Leipzig, Locarno, Havana, Split e muitos outros.

Mutum (2007) é a estreia da cineasta em filmes de ficção. Sandra Kogut, em roteiro seu e de Ana Luíza Martins Costa, levou para as telas a história de Miguilim, do livro Campo Geral, do escritor João Guimarães Rosa. Mutum foi filmado no sertão mineiro, contando com não-atores desempenhando a maior parte dos papéis. Foi exibido pela primeira vez no encerramento do Festival de Cannes, naquele ano. Foi lançado em seguida no Brasil e eleito o Melhor Filme no Festival de Cinema do Rio.

Em agosto de 2009, Sandra ganha uma retrospectiva de sua carreira, no projeto Cinema de Artista, do Museu de Arte Moderna da Bahia.

Sandra foi professora na Escola Superior de Belas Artes em Strasbourg (França) e nas universidades americanas de Princeton e de San Diego (Califórnia). Seus trabalhos foram exibidos no Moma / NY, Guggenheim Museum, Forum des Images / Paris, entre outros, e foram objeto de retrospectiva no Harvard Film Archives (EUA), no Musée d’Art Moderne et Contemporain de Strasbourg, France, no ZO – Centro Culture Contemporanee in Catania, Sicília, entre outras.

No momento, Sandra prepara seu próximo filme de ficção.