ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
REGINA NAVARRO LINS

Quando nascemos, somos colocados no mundo com padrões de comportamentos fixos e determinados. Através da educação e do convívio, vamos absorvendo os valores da nossa cultura. E isso é feito de tal forma que na vida adulta torna-se difícil saber o que realmente desejamos e o que aprendemos a desejar. Observa-se que a insatisfação é geral — nunca se venderam tantos ansiolíticos e antidepressivos como agora —, mas modificar a maneira de viver e de pensar gera ansiedade. O novo, o desconhecido assusta. Entretanto, repetir o que é aprendido como verdade absoluta gera sofrimento.

O fim do patriarcado traz nova reflexão sobre o relacionamento entre homens e mulheres, o amor, o casamento e a sexualidade. Nossas convicções íntimas mais arraigadas são abaladas, projetando-nos num vazio. Os modelos do passado não respondem mais aos nossos anseios e nos deparamos com uma realidade ameaçadora, por não encontrarmos modelos em que nos apoiar, em tempo algum, em nenhum lugar.

Essa pode ser a grande saída para o ser humano. Percebendo as próprias singularidades e não tendo mais que se adaptar a modelos impostos de fora, abre-se um espaço onde novas formas de viver, assim como novas sensações, podem ser experimentadas.

Trecho do capítulo de conclusão do livro "A Cama na varanda", Editora Best Seller, 2007