ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
MARCIO SOUZA

4 de março de 1946 – nasce, em Manaus (AM), Marcio Gonçalves Bentes de Souza, filho do linotipista Jamacy Sena Bentes de Souza e de América Gonçalves de Souza.

1959 – começa a escrever crítica de cinema no jornal O Trabalhista, do qual seu pai era sócio e que seria fechado em 1964.

1963 – muda-se para São Paulo.

1966 – ingressa no curso de Ciências Sociais da Universidade de São Paulo. Começa a trabalhar com cinema, produzindo seus primeiros curtas-metragens: Sentir a vida, Manaus Fantástica, A coisa mais linda que existe ou A trajetória de um Seringueiro.

1967 – publica o primeiro livro, O mostrador de sombras, volume de ensaios.

1968 – termina a primeira versão do romance Galvez, imperador do Acre. Trabalha como roteirista, assistente de direção e produtor de filmes publicitários.

1972 – dirige os longas-metragens O rio de sangue e A selva.

1973 – participa de festivais de cinema em Cannes, Moscou, San Sebastian e Paris.

1974 – o Teatro Experimental do Sesc do Amazonas encena sua peça A paixão de Ajuricaba.

1976 – lançamento de Galvez, imperador do Acre, com patrocínio da Fundação Cultural do Amazonas; recebe o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte com o livro.

1980 – entre setembro e novembro, participa do programa "Artista-Residente" da MacDowell Colony em New Hampshire (EUA). Faz conferências sobre Literatura Brasileira na Universidade de Columbia e de Nova York. Ainda em novembro, depõe perante o Tribunal Bertrand Russel, em Rotterdã, Holanda, sobre a condição do índio no Brasil.

1981 – participa em Havana (Cuba) do júri de literatura do Prêmio Casa de las Americas.

1983 – muda-se para o Rio de Janeiro.

1991 – assume a direção do Departamento Nacional do Livro, da Fundação Biblioteca Nacional.

1994 – passa seis meses nos EUA trabalhando como professor-adjunto do Departamento de Espanhol e Português da Universidade de Berkeley, Califórnia.

1995 – assume a presidência da Fundação Nacional de Arte (FUNARTE).

1997 – recebe o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte com o livro Lealdade e ainda o Prêmio Jabuti com o mesmo livro.

1998 – escreve seu novo romance Desordem.