ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    PERFIL    BIO    OBRA    EXCERTO    CRÍTICA 
AFFONSO ROMANO DE SANT'ANNA

Poeta do nosso tempo
por Wilson Martins

(...) No caso de Affonso de Romano de Sant'Anna, porém (Que país é este? e Outros poemas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.) não pode haver nenhuma dúvida: ele é não só um poeta do nosso tempo, integrado nos seus problemas e perplexidades, nas incertezas sucessivas em que as certezas se resolvem, mas é também o grande poeta brasileiro que obscuramente esperávamos (...). O segredo de sua extraordinária qualidade como poeta está em que ele é, antes de mais nada, um intelectual de alto gabarito, sem nenhuma das ingenuidades mentais que mantêm a produção corrente no nível rasteiro das pequenas emoções domésticas e nas dimensões microscópicas da autobiografia insignificante.

(...) O "país" de Affonso Romano de Sant'Anna, mesmo concedendo o espaço que se deve às alusões irônicas, não é a "pátria" do poeta parnasiano, sem deixar tampouco de sê-lo: a diferença de vocabulário desvenda a implantação nos tempos históricos diferentes em que um e outro viveram e pensaram. (...) Na verdade, em toda a sua obra, desde Canto e palavra (1965), ele é o mais brasileiro de todos os nossos poetas destes últimos 30 anos, aquele em cuja obra o Brasil é uma realidade mítica, atuante e latejante, cujo sentido ele procura interpretar.(...)

(...) A literatura propõe os seus mitos à realidade, e grandes poetas como Affonso Romano de Sant'Anna reelaboram a tosca realidade, que é transitória e fugaz, nos textos permanentes da literatura que sobrevive à cidade e aos dias.

in: Jornal do Brasil, caderno B, 4/10/1980